Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

Mostrando postagens com marcador Amplificação dolorosa. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Amplificação dolorosa. Mostrar todas as postagens

sábado, 2 de fevereiro de 2013

FIBROMIALGIA - O QUE É


Fibromialgia o que é
Você sabe o que é fibromialgia
A doença reumática é associada à sensibilidade diante de um estímulo doloroso, descrita por pacientes como dores pelo corpo. Atinge cerca de 5 milhões de brasileiros e, embora pessoas de qualquer sexo ou idade, inclusive crianças e adolescentes, possam ser vítimas, a incidência é maior em mulheres entre 30 e 60 anos.
Entre as manifestações clínicas estão dorfadiga, indisposição, distúrbios do sono, ansiedade, depressão, alterações intestinais, entre outras. O coordenador da Comissão de Dor, Fibromialgia e Outras Síndromes Dolorosas de Partes Moles da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) Marcelo Cruz Rezende, esclarece as principais dúvidas.
Segundo o reumatologista, a fibromialgia é uma síndrome clínica caracterizada por dor difusa e outras sintomas associados como fadiga (cansaço), sono não reparador, alteração de memória, concentração, entre outras.
"Existe uma associação muito forte com o aspecto psicológico, com quadros depressivos e ansiedade, mas não podemos afirmar que se trata somente de fundo emocional. Hoje, sabemos que é um distúrbio relacionado à alteração nos sistemas de controle de dor, devendo ser considerado como uma síndrome de amplificação dolorosa", explica.
O principal sintoma da fibromialgia é basicamente dor difusa pelo corpo. Mas existe uma série de comorbidades que normalmente acompanham: distúrbio do sono, cansaço, fadiga, ansiedade, depressão, alterações intestinais como crises de diarreia etc.
O diagnóstico da fibromialgia consiste em verificar se há é dor difusa por mais de três meses, em conjunto com a presença de 11 de 18 pontos dolorosos específicos.
Atualmente retira-se a necessidade da contagem de pontos dolorosos e coloca-se um índice de dor generalizado e de grau de severidade de sintomas, mas ainda estão sendo questionados pelos especialistas.
"Por ser uma condição crônica, a fibromialgia não tem cura. Existe sim um controle da sintomatologia. Entretanto, pode ser confortador saber que, embora não exista cura, a fibromialgia é uma doença benigna, que não leva ao óbito", esclarece Rezende.
Existem várias medicações com fortes evidências científicas que melhoram os sintomas da fibromialgia. Outras evidências científicas demonstram que o costume de executar exercícios físicos aeróbicos de modo rotineiro (30 minutos por dia ou 45 minutos três vezes por semana) tem grande melhora para a dor, fadiga e sono. Mesmo o Tai Chi Chuan foi colocado como tratamento coadjuvante com boa resposta.
Como não existe prevenção para a doença, já que a patologia é considerada de ordem genética, é possível apenas controlá-la em busca de uma melhora do quadro.
O uso rotineiro de exercícios físicos, em especial aeróbios e o uso de algumas medicações como antidepressivos tricíclicos para o sono ou ritalina ou modenafil para fadiga podem ajudar e muito, na qualidade de vida do paciente.
Por Jessica Moraes