Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas com diversos aspectos, como: tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.

Quer saber o que é FIBROMIALIGIA? na coluna ao lado esquerdo das postagem clique no link "Mas o que é fibromialgia"


TRADUTOR

quarta-feira, 2 de setembro de 2020

"Há mais mulheres sofrendo de dor do que homens por causa dos hormônios da lactação."

전신마취 때도 깨어 있는 뇌 시삭상핵 뉴런


Repórter Kicheon Han
O estresse promove a secreção de prolactina → leva à dor específica da mulher

Tempo de Envio 2020-03-05 14:14

 [Fornecido pela US Duke University]

(Seul = Yonhap News) Repórter Ki-Cheon Han = 'síndromes de dor funcional' refere-se à dor crônica que persiste mesmo que a causa da dor, como feridas ou cirurgia, tenha desaparecido.

As mulheres têm muito mais pacientes com essa síndrome de dor funcional do que os homens.

A enxaqueca é um representante da dor que ocorre com mais frequência nas mulheres. Existem cerca de 35 milhões de enxaquecas nos Estados Unidos, com três em cada quatro mulheres.

Além disso, fibromialgia (fibromialgia) 9 em cada 10 pessoas, síndrome do intestino irritável (síndrome do intestino irritável) 3 em cada 4 mulheres são consideradas mulheres.

Cientistas da Escola de Medicina da Universidade do Arizona descobriram um mecanismo fisiológico que pode explicar por que as mulheres geralmente são mais suscetíveis a distúrbios dolorosos do que os homens.

Foi demonstrado que um neurohormônio (prolactina), que estimula a lactação no final da gravidez e em mulheres lactantes, está profundamente envolvido.

A equipe de professores de farmacologia e anestesiologia da universidade, Frank Poreka, publicou um artigo relacionado na revista científica Science Translational Medicine.

De acordo com o resumo de um artigo publicado online (www.eurekalert.org) no dia 4 (hora local), muitas vezes há pacientes que pioram com o uso de opioides. Ocorre.

Nesse sentido, foi levantada a hipótese de que as células nervosas e as estruturas nervosas que transmitem sinais de dor ao cérebro diferem por sexo, mas a causa exata não era conhecida.

A equipe de Poreka descobriu acidentalmente que a prolactina é liberada quando uma mulher está sob estresse, causando dores específicas para mulheres.

Então comecei a estudar como o estresse afeta essas dores.

Em geral, os fatores que causam dor incluem álcool, fadiga e falta de sono, além de estresse.

Os pesquisadores acreditam que os agonistas do receptor D-2 da dopamina podem ser usados ​​em combinação com outras drogas para aliviar esse tipo de dor.

Os agonistas do receptor da dopamina, como a 'cabergolina', são amplamente usados ​​em outras doenças, como a doença de Parkinson, e não causam dependência.

"Seria verdadeiramente revolucionário se pudéssemos reduzir o número de mulheres com enxaqueca para homens", disse Edita Nabratilova, professora assistente de farmacologia, uma das autoras do artigo.

cheon@yna.co.kr

<Copyright (c) Yonhap News, reprodução não autorizada e redistribuição proibida> 2020/03/05 14:14 enviado

Nenhum comentário: