Seja Bem Vindo ao Universo do Fibromiálgico

A Abrafibro - Assoc Bras dos Fibromiálgicos traz para você, seus familiares, amigos, simpatizantes e estudantes uma vasta lista de assuntos, todos voltados à Fibromialgia e aos Fibromiálgicos.
A educação sobre a Fibromialgia é parte integrante do tratamento multidisciplinar e interdisciplinar ao paciente. Mas deve se estender aos familiares e amigos.
Conhecendo e desmistificando a Fibromialgia, todos deixarão de lado preconceitos, conceitos errôneos, para darem lugar a ações mais assertivas em diversos aspectos, como:
tratamento, mudança de hábitos, a compreensão de seu próprio corpo. Isso permitirá o gerenciamento dos sintomas, para que não se tornem de difícil do controle.
A Fibromialgia é uma síndrome, é real e uma incógnita para a medicina.
Pelo complexo fato de ser uma síndrome, que engloba uma série de sintomas e outras doenças - comorbidades - dificulta e muito os estudos e o próprio avanço das pesquisas.
Porém, cientistas do mundo inteiro se dedicam ao seu estudo, para melhorar a qualidade de vida daqueles por ela atingidos.
Existem diversos níveis de comprometimento dentro da própria doença. Alguns pacientes são mais refratários que outros, ou seja, seu organismo não reage da mesma forma que a maioria aos tratamentos convencionais.
Sim, atualmente compreendem que a síndrome é "na cabeça", e não "da cabeça". Esta conclusão foi detalhada em exames de imagens, Ressonância Magnética Funcional, que é capaz de mostrar as zonas ativadas do cérebro do paciente fibromiálgico quando estimulado à dor. É muito maior o campo ativado, em comparação ao mesmo estímulo dado a um paciente que não é fibromiálgico. Seu campo é muito menor.
Assim, o estímulo dispara zonas muito maiores no cérebro, é capaz de gerar sensações ainda mais potencialmente dolorosas, entre outros sintomas (vide imagem no alto da página).
Por que isso acontece? Como isso acontece? Como definir a causa? Como interromper este efeito? Como lidar com estes estranhos sintomas? Por que na tenra infância ou adolescência isso pode acontecer? Por que a grande maioria dos fibromiálgicos são mulheres? Por que só uma minoria de homens desenvolvem a síndrome?
Estas e tantas outras questões ainda não possuem respostas. Os tratamentos atuais englobam antidepressivos, potentes analgésicos, fisioterapia, psicoterapia, psiquiatria, e essencialmente (exceto com proibição por ordem médica) a Atividade Física.
Esta é a parte que têm menor adesão pelos pacientes.
É dolorosa no início, é desconfortante, é preciso muito empenho, é preciso acreditar que a fase aguda da dor vai passar, trazendo alívio. Todo paciente precisa de orientação médica e/ou do profissional, que no caso é o Educador Físico. Eles poderão determinar tempo de atividade diária, o que melhor se adequa a sua condição, corrige erros comuns durante a atividade, e não deixar que o paciente force além de seu próprio limite... Tudo é comandado de forma progressiva. Mas é preciso empenho, determinação e adesão.
Você pode seguir nossos outros canais de notícias.
Escolha:
Aqui, você pode cadastrar seu e-mail, logo abaixo, na coluna à sua direita.
Ou escolher entre:
WhatsApp
Telegram

Notícias sobre Fibromialgia e Saúde.
Não são grupos interativos.

Discutimos ações em parcerias com pacientes e parlamentares, na busca por políticas públicas que dignifiquem e tragam à tona assuntos e benefícios importantes para nossa qualidade de vida.

TRADUTOR

sexta-feira, 14 de janeiro de 2022

Semana de 07 a 13.01.22 - Últimas Notícias no Mundo dos Fibromiálgicos

 Chegou Chegou!!!


É a Abrafibro trazendo aos pacientes informações importantes, sobre o universo Fibromiálgico no mundo e no Brasil.

Se você quiser contribuir com artigos relevantes, entre em contato. 

Leia, divulgue e compartilhe!

Você vai direto à Fonte:

Nova lei garante sigilo a portadores de aids, hepatite, tuberculose e hanseníase

Prefeitura de Barreiras retoma com os atendimentos do Ambulatório de Fibromialgia no Centro de Saúde Leonídia Ayres de Almeida

Dez maneiras de provar que a Fibromialgia existe

Sono ruim, dor crônica e depressão


E mais... EXTRA!!!

Identificação de portadores da Fibromialgia da cidade do Rio de Janeiro.

4 comentários:

  1. Existe pouco conhecimento e muito descaso sobre essa síndrome, não tem se quer o direito ao acompanhamento pelo SUS,toda informação a respeito é muito bem vinda, obgda

    ResponderExcluir
  2. Sou portadora de fibromialgia desde 2008 não aguento mais ,já estou num nível desesperador trabalho como técnica de enfermagem, e me vejo todos os dias numa luta ,sem sucesso ,vivo com dores , cansaço,esquecimentos estou num quadro de tristeza que ninguém imagina peço ajuda .por favor alguém me ajuda

    ResponderExcluir
  3. Sofro de fibromialgia desde 2016, não consigo perceber melhora, parece que cada dia fico pior e com mais um agravante, peço ajuda

    ResponderExcluir
  4. S9u portadora da síndrome de fibromialgia a bastante tempo ti em crise quase sempre mesmo fazendo tratamento ainda nao tive resultado positivo

    ResponderExcluir

O que achou da matéria? Ajudou-lhe de alguma forma? Deixe sua opinião e seu comentário: Agradecemos!